Fatos Marcantes

Bairro Maria Romana

Em 1927 ocorreu uma tragédia que marcou a história de nossa cidade. A Sra. Maria Romana, jovem íntegra e trabalhadora, foi degolada com uma navalha pelo seu marido, embaixo de um pé de juazeiro. Em 1974 e 1975 foi construída uma capela pela Sra. Edilma de Lajeiro através de doações, cumprindo assim uma promessa. Desde lá o local é muito visitado por devotos, que acreditando em seus milagres também acendem velas e oram. Esse bairro também ficou conhecido como “Morro da Salvação”. Em 1964 quando ocorreu uma das muitas enchentes que por vezes assolam o município, o pequeno povoado ficou quase que totalmente coberto pelas águas. Casas estavam sendo inundadas e as pessoas da comunidade em pânico, sem ter para onde ir, aliviadas ficaram quando alguém viu um monte seco – o lixão. Os homens cobriram o local de mata-pasto para eliminar os insetos e todos lá passaram a noite, até as 12hs do dia seguinte, quando foram resgatados pelas canoas do Sr. José Cachina.

Ao baixar as águas era expectativa de todos reverem o local que surgiu como o ”Morro da Salvação”. Anos mais tarde este local foi oficializado pelo Prefeito José de Deus Barbosa Filho, em seu primeiro mandato, como Bairro Maria Romana.

Enchentes ocorridas

Como a cidade de Ipanguaçu está situada no centro de uma ilha formada de aluvião, acumulado no decorrer de séculos, muitas áreas são áreas de risco, com incidência periódica de desastres naturais, como enchentes e conseqüente flagelo de seus moradores. Estas calamidades ocorreram nos anos de 1924, 1947, 1964, 1974, 1985, 1996 e 2004.

Em fevereiro de 2004 ocorreu a maior enchente de nossa história. A comunidade de Baldum foi a mais atingida, desabrigando centenas de pessoas com dezenas de casas destruídas. A prefeitura Municipal, suas Secretarias e toda a sociedade uniram-se, não medindo esforços e trabalho. A solidariedade aos atingidos prontamente transformou-se em ação.

A proporção da tragédia foi de tal intensidade que a governadora Wilma de Faria, acompanhada pelo então Ministro das Cidades, Sr. Olívio Dutra, visitaram o local.

Este fato precipitou em tempo recorde, a transferência das famílias atingidas.

O Prefeito José de Deus Barbosa Filho e suas Secretarias, em uma ação firme e rápida, identificaram o distrito de Pedrinhas como uma área elevada e segura para a implantação e implementação do Programa Municipal de Habitação, numa parceria entre a Prefeitura Municipal e a Caixa Econômica Federal.

Hoje o Conjunto Habitacional José de Deus Barbosa, abriga 273 famílias, com toda a infra-estrutura necessária, formando o Distrito de Pedrinhas, que proporciona aos seus moradores uma moradia digna, resgatando sua auto-estima e livrando-os da exclusão social, tornando-os verdadeiros cidadãos ipanguaçuenses.

A enchente que assolou o município nos dias 03,04,05 e 06 de abril foi consequência dessas altas precipitações que fizeram com que a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves atingisse a uma cota de sangria de 4,22 de altura, provocando danos humanos, materiais e ambientais e os consequentes prejuízos econômicos e sociais.

Segundo Levantamento feito pela Comissão Municipal de Defesa Civil foram alagadas as seguintes áreas: Bairro Ubarana, Bairro Manoel Bonifácio, Bairro Maria Romana, Bairro Pinheirão, Bairro Frei Damião, Cohab, Olho D´água, Baldum, Base Física, Japiaçu, Sacramentinho, Pau de Jucá, Rua Projetada na travessa Veneza, Rua 23 de Dezembro, Rua São João, Rua Segundo Mestre, Bairro Nossa Senhora da Conceição, Rua Projetada na Travessa Itu.

Ficaram ilhadas as seguintes áreas: Luzeiro, Cuó, Itu, Picada, Porto, Lagoa de Pedra e Capivara.

Devido ao estado precário das principais estradas vicinais do município, ficaram sem acesso à sede as comunidades de Língua de Vaca, Canto Claro, Angélica, Serra do Gado, Tirafogo, Agrovila Tabuleiro Alto, Agrovila Olho D´água, São Miguel, Barra e Croa.

A enchente ocorrida fez com que o município ficasse numa situação de extrema gravidade e contabilizasse 1.199 famílias desabrigadas num total de 4.059 pessoas. Foram utilizados 42 locais de abrigos públicos, além dos abrigados em casas de parentes, amigos e alugados.

Os danos materiais foram imensos, 350 casas foram danificadas, 100 foram destruídas, 02 Escolas públicas foram bastante danificadas, pavimentações e estradas vicinais também foram danificadas e o abastecimento d´água e de energia foram comprometidos em algumas comunidades.

No tocante à agricultura os prejuízos foram incalculáveis nas culturas de subsistência, fruticultura e pecuária. 298 agricultores declararam suas perdas na EMATER – Unidade Local de Apoio ao Produtor Rural, num total de 650 há perdidos nas culturas acima relacionadas. É bom salientar que 93 agricultores declararam suas perdas com equipamentos e insumos agrícolas.

O prefeito Municipal da Gestão 2008 José de Deus Barbosa Filho decretou SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA através do Decreto nº 004, de 03 de abril de 2008, posteriormente evoluiu para ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA através do Decreto Executivo nº 005, de 08 abril de 2008. De acordo com a Resolução nº 3 do Conselho Nacional de Defesa Civil – CONDEC, a intensidade deste desastre foi dimensionada como de NIVEL GRANDE (NÍVEL 3).

Diante do estado de sofrimento de famílias desabrigadas, O Poder Público Local tomou todas as providências necessárias para amenizar tal situação. As famílias foram retiradas das áreas de risco, colocadas em abrigos, atendidas com Cestas Básicas, colchões, distribuição de água potável, disponibilização de equipes medicas para os abrigos e distribuição de medicamentos básicos, dentre outras providencias.

A solidariedade como via capaz de transformar realidade se fez presente no município de Ipanguaçu. Foram nossos parceiros com a doação de cestas básicas, roupas, lençóis, colchões, legumes, verduras, mel, etc: EMATER/ Programa Compra Direta, PETROBRAS, Igreja Nossa Senhora de Lourdes, Arquidiocese de Natal, Grupo de Escoteiros Guy de Larigaudie de Macau, Governo de Estado de Rio Grande do Norte, Lions Clube, Termoaçu, II Grupamento de Bombeiros Mirins de Caicó, GIBA Escoteiros de AR Caicós e Armazem Paulina.

Uma grande teia de parceiros foi sendo construída ao longo da enchente. Agora também os parceiros dos parceiros e a sociedade civil são mobilizados para ampliar os efeitos das ações da Comissão Municipal de Defesa Civil e do Poder Público Local porque reconstruir é tarefa difícil, porém necessária, juntar pedaços, unir forças, sonhos, desejos e ações, são sem sombra de dúvida dedicar-se a um projeto. Projeto compartilhado por aqueles que acreditam na reconstrução do que ficou destruído ou danificado, essa reconstrução tão necessário ao reconhecimento da cidadania como aspecto distinto do povo ipanguaçuense.

Últimas manchetes